Análise Fundamentalista: O melhor método para investidores de longo prazo

Análise fundamentalista
Análise fundamentalista permite ao investidor entender a saúde financeira e operacional da empresa.

Quem se interessa por investimentos em ações e começa a pesquisar sobre o assunto invariavelmente se depara com duas visões: a análise técnica (ou gráfica) e a análise fundamentalista.

Quando iniciei meus investimentos em ações eu escolhi o caminho da análise técnica.

Mal sabia o erro que estava cometendo.

Por ser formado na área de exatas, eu acreditava que seria moleza investir utilizando gráficos, indicadores e detectando padrões.

No início eu até tive algum sucesso (o que é terrível por sinal). Mas, logo depois de um tempo, minhas operações começaram a dar errado.

Admito. Cometi diversos erros, principalmente por conta de desvios comportamentais, mentalidade errada e péssimo controle de risco.

Sim, perdi bastante dinheiro.

Quase me afastei do mercado, chamando tudo de cassino, culpando os tubarões, os políticos, a CVM, a corrupção, etc.

Bem, eu superei essa fase depois que tomei a decisão de me desenvolver como investidor.

Comecei a ler livros, fazer alguns cursos e acompanhar conteúdos de valor na internet.

Descobri que para investir em boas empresas, com horizonte de longo prazo, iria precisar de uma metodologia inteligente.

Eu definitivamente precisava estudar sobre análise fundamentalista.

O que você vai aprender neste artigo:

  • O que é análise fundamentalista
  • O que é abordagem top down e bottom up
  • Quais estratégias de análise fundamentalista existem

O que é Análise Fundamentalista?

A análise fundamentalista é uma maneira de analisar investimentos, partindo da ideia de que o retorno do mesmo é determinado pelo desempenho operacional da empresa (ou seja, os fundamentos), e não por movimentos do mercado, por bolhas especulativas, pela aversão ao risco dos investidores, ou qualquer outro fator que tenha origem no mercado financeiro.

A análise fundamentalista sustenta que o mercado deverá, no longo prazo, refletir a lucratividade (ou prejuízo) da empresa, fazendo a ação convergir para seu preço justo.

Essa é uma abordagem oposta à análise gráfica ou técnica, segundo a qual a melhor estratégia para investir em ações é analisar os movimentos do mercado, independentemente dos fundamentos da empresa.

Pela visão fundamentalista, um investidor racional deve necessariamente, fazer uma análise financeira e operacional da empresa.

A análise financeira é feita principalmente através dos demonstrativos financeiros que a empresa é obrigada a divulgar trimestralmente.

Ela possibilita ao investidor ver a solidez da empresa, sua capacidade de pagar fornecedores, seu endividamento, e claro, se ela está tendo lucro ou prejuízo.

Já a análise operacional é mais qualitativa e abrangente, e envolve o estudo do setor em que a empresa atua, seu posicionamento no mercado, suas estratégias de crescimento, bem como uma visão geral da concorrência.

Esse tipo de análise torna possível estimar se a empresa tem boas ou más perspectivas de lucrar no futuro.

Análise fundamentalista e o Valuation

Para um analista fundamentalista, o preço de uma ação de mercado tende a se mover em direção ao seu “valor intrínseco”, que é o “verdadeiro valor” de uma empresa, calculada por seus fundamentos.

Se o valor de mercado não corresponde ao verdadeiro valor da empresa, há uma oportunidade de investimento.

Juntando todas as informações, é possível estimar o quanto uma empresa vale atualmente. Esse processo é chamado de valuation, e será tratado em mais detalhes futuramente.

O valuation envolve, obviamente, um grau de incerteza e subjetividade, já que não é possível saber se as perspectivas futuras irão ou não se concretizar.

Apenas após analisar uma empresa é que o investidor fundamentalista busca saber a cotação de mercado, ou seja, qual o valor que o mercado atribui atualmente à empresa.

Se esse valor for significativamente mais baixo do que aquele estimado pelo investidor, se houver uma margem de segurança e se a empresa for financeiramente sólida, conclui-se que o investimento traz um bom potencial de ganho.

Por que usar análise fundamentalista?

Análise fundamentalista é construída sobre a ideia de que o mercado o preço das ações de uma empresa estará avaliado de forma errada de vez em quando.

A relação risco x retorno é compensada encontrando ativos subavaliados e esperando o mercado ajustar a avaliação da companhia.

Ao analisar os relatórios financeiros das empresas, você terá uma compreensão do valor de diferentes empresas. Depois de analisar esses fatores você poderá ter uma melhor compreensão se o preço do ativo estará subavaliado ou sobrevalorizado ao preço de mercado atual.

A análise fundamentalista também pode ser realizada numa base setorial e na economia como um todo.

Abordagens Fundamentalistas: Top-down e Bottom-Up

Os investidores que usam a análise fundamentalista podem usar abordagens top-down ou uma abordagem bottom-up.

Abordagem Top-down

O investidor “top-down”, ou “de cima para baixo” começa sua análise com a economia global, incluindo tanto os indicadores econômicos nacionais e internacionais; tais como as taxas de crescimento do PIB, inflação, taxas de juros, taxas de câmbio, produtividade e preços da energia.

Eles posteriormente estreitam sua busca para análise regional / setorial das vendas totais, níveis de preços, os efeitos dos produtos concorrentes, a concorrência estrangeira, e a entrada ou saída da indústria. Só então eles refinam sua busca para o melhor negócio na área em estudo.

O conhecimento do ciclo de negócios na economia é um dos objetos de estudo dessa abordagem. Em linguagem mais simples, o aumento e diminuição da economia. O ciclo de negócios pode ser dividido basicamente em 4 etapas:

  1. Expansão: aumento da atividade empresarial sob a forma de vendas, salários, produção industrial, aumento dos preços das ações e dos valores das propriedades, aumento da procura dos consumidores e do PIB.
  2. Pico: a crista da expansão, a partir da qual ponto a economia começa a abrandar.
  3. Contração: marcada por um abrandamento do crescimento e da produção. Definido como dois trimestres consecutivos de contração do PIB, uma recessão é uma contração de curto prazo. Uma versão mais severa é conhecida como uma depressão. Aumento dos padrões de inadimplência e falências, alto endividamento dos consumidores, aumento do estoque e queda do PIB são todos indicadores de um declínio.
  4. Ponto de virada: o fim de um declínio na atividade comercial e o início de uma reviravolta.

Os fundamentalistas dessa abordagem também analisam as políticas econômicas (tanto monetária quanto fiscal), a balança comercial, índice de emprego, o orçamento do governo e as decisões de financiamento, que podem gerar por exemplo:

  • Gastos públicos elevados
  • Aumento dos impostos sobre os combustíveis e a energia (que tendem a diminuir a atividade econômica)
  • Déficit ou Superávit orçamentário federal. Os déficits podem aumentar o custo dos fundos e eliminar os empréstimos privados até certo ponto.

Conhecer e compreender o estado atual da macroeconomia é importante, pois permite ao analista enquadrar o pano de fundo contra o qual avaliar as fortunas de uma empresa ou indústria.

Algumas fases do ciclo econômico beneficiam certas empresas, enquanto outras não.

Abordagem Bottom-up

O investidor “bottom-up”, ou de “baixo para cima” começa com empresas específicas, independentemente da sua indústria/região e prossegue no sentido inverso da abordagem top-down.

Este ramo da análise fundamentalista considera os fundamentos de uma empresa de diversas perspectivas, incluindo suas demonstrações financeiras, qualidade de gestão, produto ou serviço, onde se situa em sua respectiva indústria, seus fornecedores e concorrentes, etc.

Essa abordagem busca indústrias e empresas que representem oportunidades promissoras no contexto do ciclo econômico. Diferentes indústrias reagem de forma diferente em várias fases do ciclo econômico. 

Por exemplo, podemos citar três tipos de indústrias que reagem de forma diferente aos ciclos econômicos:

  • Indústrias defensivas – as empresas nessas indústrias são menos suscetíveis aos caprichos do ciclo econômico. Os bens de consumo não duráveis, como alimentos e tabaco, são exemplos de indústrias que tenderiam a sobreviver a uma desaceleração na economia melhor do que as indústrias cíclicas ou de crescimento, mas também oferecem um pouco menos de crescimento nos mercados em alta.
  • Indústrias cíclicas – são altamente sensíveis aos ciclos de negócio e às tendências da inflação. Aço, bens duráveis ​​e automóveis são exemplos. As recessões tendem a amortecer a demanda por automóveis e construção, o que afetaria a produção de aço.
  • Indústrias em crescimento – crescem mais rápido do que a economia, devido a novas oportunidades. Podemos citar a biotecnologia e vários sub ramos da indústria de supercondutores e tecnologia, por exemplo. Essas empresas tendem a investir pesado em pesquisa e desenvolvimento, operam com caixa negativo por um tempo e pagam pouco ou nenhum dividendos.

7 Estratégias que usam Análise Fundamentalista

A análise fundamentalista pode ser utilizada dentro de diferentes estilos de estratégias e gestão de carteiras.

Confira a seguir uma lista de 7 estratégias que utilizam essa metodologia.

1 – Buy & Hold

Literalmente “Comprar & segurar”, os investidores acreditam que segurando bons negócios permitirá que os ativos cresçam subjacente aos negócios. A análise fundamentalista vai permitir encontrar boas empresas, para que eles reduzam o risco de seus investimentos.

Recomendo a leitura: Buy and Hold: A melhor estratégia para investir em ações no longo prazo

2 – Investimento em valor

Nessa estratégia os investidores focam a sua atenção para as empresas subavaliadas pelo mercado, acreditando que o valor intrínseco do negócio é maior do que o valor de mercado. Os estudos que eles realizam derivam da análise fundamentalista.

3 – Timming (pontos de entrada)

As ferramentas de análise fundamentalista podem ser usadas para avaliar empresas em condições boas ou ruins. O preço das ações das empresas que estão indo mal irão flutuar, criando oportunidades de entrada.

4 – Ciclos econômicos

A análise fundamentalista pode ser usada considerando o ciclo econômico para determinar se as condições ideais para comprar empresas fundamentalmente adequadas.

5 – Investidores contrários

Os contrarian investors afirmam que “a curto prazo, o mercado é uma máquina de votação, não uma máquina de pesagem“. Ao utilizar a análise fundamentalista, o investidor contrário consegue realizar a sua própria decisão sobre o valor, ignorando as opiniões do mercado.

6 – Ações de crescimento

A análise fundamentalista pode ser utilizada para determinar as taxas de crescimento futuro para a compra de ações de crescimento com preços elevados.

7 – Análise quantitativa

Por último, a análise fundamentalista pode ser utilizada juntamente com fatores técnicos em modelos de computador (análise quantitativa).

CONCLUSÕES

A análise fundamentalista é tudo que envolve a obtenção de um entendimento de uma empresa, a saúde de seus negócios e suas perspectivas futuras.

Um investidor que utilize desse método faz a leitura e análise de relatórios anuais e demonstrações financeiras para obter uma compreensão das vantagens comparativas, os concorrentes da empresa e do seu ambiente de mercado.

A análise fundamentalista pode ser utilizada dentro de diferentes estilos de estratégias e gestão de carteiras. Neste artigo foram vistas 7 estratégias:

  1. Buy & Hold
  2. Investimento em valor
  3. Timming (pontos de entrada)
  4. Ciclos econômicos
  5. Investidores contrários
  6. Ações de crescimento
  7. Análise quantitativa

Existem alguns outros fatores a serem considerados, mas essencialmente o investidor fundamentalista procura comprar uma ação por um preço abaixo do que ela realmente vale, sabendo que no longo prazo, o mercado deverá reconhecer esse valor justo.

A análise fundamentalista é bastante acessível, extremamente valiosa e você não precisa de um elevado conhecimento em finanças para obter uma compreensão básica.

Bons investimentos!

Fontes de consulta

  • https://en.wikipedia.org/wiki/Fundamental_analysis
  • http://www.investopedia.com/terms/f/fundamentalanalysis.asp
  • http://www.euroinvestor.com/ei-news/2012/02/12/stock-school-5-important-elements-in-fundamental-analysis/15694
Receba novidades por email (é grátis!)

Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Respeitamos sua privacidade. Nunca enviamos SPAM!
Análise Fundamentalista: O melhor método para investidores de longo prazo
5 (100%) 8 votes