Balanço Patrimonial: Conheça os elementos mais importantes desse demonstrativo financeiro

balanço patrimonial
Balanço patrimonial: demonstrativo financeiro que registra tudo que a empresa possui e deve.

Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira de uma empresa ou entidade.

Ao lado dos demonstrativos de resultado do exercício e demonstrativo de fluxo de caixa, o balanço patrimonial é um dos demonstrativos financeiros mais importantes para os investidores.

Ao analisar um Balanço Patrimonial, os investidores podem saber quanto uma empresa possui (seus ativos), o quanto que ela deve (seus passivos), e a diferença entre os dois (seu patrimônio) em um ponto específico no tempo.

Vamos entender melhor os elementos que formam o balanço patrimonial.

Neste artigo você vai aprender:

  • Como é formada a estrutura de um balanço patrimonial
  • Quais os elementos dos ativos circulantes e ativos não-circulantes
  • Porque o investidor deve ficar atento aos passivos da empresa (principalmente as dívidas)

Elementos do Balanço Patrimonial

Uma das coisas mais importantes para se entender sobre o balanço é que deve sempre equilibrar. O total de ativos será sempre total do passivo mais patrimônio total, ou seja:

Ativos = Passivos + Patrimônio Líquido

Assim, se os ativos de uma empresa aumentar de um período para o outro, você terá a certeza que o passivo da empresa e o patrimônio liquido aumentou na mesma proporção.

Vamos agora dar uma olhada mais profunda nas várias seções do balanço.

Embora haja muitos itens de linha, vamos ficar com os mais comuns, e em nossa opinião, os mais importantes para os investidores estarem cientes.

Ativos

Os Ativos compreendem o conjunto de Bens e Direitos da organização (entidade, empresa), possuindo valores econômicos e podendo ser convertido em dinheiro (proporcionando ganho para a empresa).

É a parte positiva da posição patrimonial e identifica onde os recursos foram aplicados. Representa os benefícios presentes e futuros para a empresa.

Existem dois principais tipos de ativos: ativos circulantes e não-circulante. Dentro destas duas categorias, existem inúmeras subcategorias.

Ativo Circulante

Ativo circulante são coisas que uma empresa possui que estão susceptíveis de serem utilizados e convertidos em dinheiro dentro de um ciclo de negócios – geralmente definido como um ano.

Os ativos circulantes agrupam dinheiro e tudo o que será transformado em dinheiro rapidamente. São contas que estão constantemente em giro, movimento, circulação.

Os itens mais comuns nesta categoria são: caixa e equivalentes de caixa, investimentos de curto prazo, contas a receber, estoques e outros ativos circulantes.

Caixa e Equivalentes de Caixa

Este item não se refere necessariamente às contas reais em uma conta corrente ou caixa registradora.

Geralmente, o dinheiro esta investido em ativos de baixo risco, altamente líquidos, tais como poupança. Estas participações podem ser liquidadas rapidamente com pouco ou nenhum risco de preço.

Este dinheiro é pode ser utilizado para qualquer finalidade da empresa, sendo geralmente utilizado para capital de giro (compra de estoques ou pagamento de fornecedores, por exemplo).

Aplicações Financeiras

Representa dinheiro investido em obrigações ou outros títulos que têm menos de um ano até o vencimento e recebem uma taxa de retorno maior do que o dinheiro em caixa.

Estes investimentos podem levar um pouco mais de esforço para vender, mas na maioria dos casos, os investidores podem somar com o dinheiro em caixa para descobrir quanto dinheiro a empresa tem à disposição para atender suas necessidades imediatas (liquidez).

Contas a Receber

São recebíveis em contas que uma empresa envia a seus clientes para produtos ou serviços que tem prestado, mas para o qual o cliente ainda não pagou, mas é esperado que pague dentro do próximo ano.

Em outras palavras, são as vendas (registradas na declaração de rendimentos) que não foram pagos ainda.

Geralmente, contas a receber são apresentados como um valor líquido do que uma empresa espera arrecadar, em última análise, porque alguns clientes estão propensos a não pagar.

O valor dos recebíveis de uma empresa pensa que não irá recolher é normalmente conhecido como uma provisão para devedores duvidosos.

Não só adições à provisão para devedores duvidosos diminui a quantidade de contas a receber, mas também aumenta as despesas de uma empresa – conhecido como despesas com devedores duvidosos.

Fique de olho nas contas a receber em relação às vendas de uma empresa.

Se as contas a receber estão crescendo muito mais rápido do que as vendas, geralmente significa uma empresa não está fazendo um trabalho ideal ao recolher o dinheiro que lhe é devido.

Isso pode ser um problema, porque a empresa pode oferecer condições de crédito mais flexíveis para aumentar suas vendas, porém ter dificuldade em recolher o dinheiro que é devido.

Por outro lado, se as contas a receber estão crescendo mais devagar em relação as vendas, as condições de crédito da empresa podem estar muito rigorosas.

Estoques

Há muitos tipos diferentes de estoques, incluindo matérias-primas, produtos parcialmente acabados e produtos acabados que estão esperando para serem vendidos.

É importante prestar atenção em empresas de manufatura e varejo, por possuírem grandes quantidades de estoque físico (alto giro).

Similar às contas a receber, as variações de estoques são geralmente relacionadas com as vendas de uma empresa, ou mais especificamente, o lucro bruto – preço de venda menos o custo do estoque vendido – que faz de cada venda.

Se os níveis de estoques estão crescendo muito mais rápido do que as vendas de uma empresa, pode sinalizar que a empresa está comprando mais bens do que pode vender.

Isso pode forçar a empresa a reduzir os seus preços, o que resulta em menores lucros para cada item vendido e menor rentabilidade para a empresa.

Em alguns casos, pode até reduzir os preços para níveis inferiores ao valor do próprio inventário, resultando em perdas (os famosos “queima de estoque”).

Além disso, os estoques “aprisionam” o capital. O dinheiro que foi usado para criar os estoques não pode ser usado para qualquer outra coisa até que seja o estoque seja vendido.

Assim, é importante os investidores monitorarem o quão rápido uma empresa é capaz de vender seu estoque.

Outros ativos circulantes

Esta categoria inclui quaisquer outros ativos que empresa espera se transformar em dinheiro no próximo ano.

No entanto, alguns ativos circulantes não vão se transformar em dinheiro. O mais comum são as despesas antecipadas (sim, mesmo ele sendo chamado de despesas antecipadas, é um ativo).

Por exemplo, digamos a empresa Natura compra e paga a vista para uma apólice de seguro para o próximo ano. As regras de contabilidade dizem que a empresa deve registrar todo o pagamento como uma despesa pré-paga (ativo) em oposição a uma despesa normal, na demonstração de resultados, porque representa algo de valor futuro para a empresa – no valor de cobertura de seguro de um ano inteiro.

À medida que o ano passa, o valor do ativo diminuirá – menos tempo restante – e ao montante da redução é registrada como uma despesa, um processo conhecido como amortização.

Tenha em mente que as despesas pré-pagas de uma empresa – que pertencem a uma categoria mais ampla conhecida como custos capitalizados – representam dinheiro que foi pago a vista e vai se transformar em despesas em vez de dinheiro dentro do próximo ano.

Ativo Não-Circulante

Os ativos não circulantes são definidos como qualquer coisa não classificada como um ativo circulante.

Os principais itens nesta seção são investimentos de longo prazo; imóveis, instalações e equipamentos; e ativos intangíveis.

Investimentos de Longo Prazo

Este é o dinheiro investido tanto em títulos com prazos superiores a um ano ou a ações de outras empresas.

Não são tão líquidos como caixa e investimentos de curto prazo, e os preços podem flutuar, por isso é possível que o valor mostrado no balanço pode ser muito alta ou muito baixa.

Se é há um valor bastante grande, você pode querer investigar os detalhes para se certificar de que você está confortável com os tipos de riscos que a empresa está tomando com o dinheiro dos acionistas.

Ativos imobilizados e fixos

Estes ativos representam os tijolos e argamassa de uma empresa: terrenos, edifícios, fábricas, mobiliário, equipamento e assim por diante.

A quantidade desses ativos no balanço é geralmente expressa líquido de depreciação acumulada – o montante total da depreciação registrada contra os ativos longo de sua vida.

Eventualmente, plantas, usinas, maquinários e equipamentos tem que ser substituído, e a depreciação é melhor estimativa desses custos de uso e desgaste de uma empresa.

Tenha em mente que os ativos imobilizados normalmente não é uma medida muito precisa da quantidade de tijolos e argamassa de uma empresa.

Muitas vezes, edifícios no valor de milhões de reais são relatados em quase nada em ativos imobilizados por causa da depreciação acumulada.

Da mesma forma, o valor real dos imóveis de uma empresa pode valer exponencialmente muito mais do que aquilo que é registrado (já que o valor registrado é o de aquisição).

Ágio e Ativos Intangíveis

Ativos intangíveis são, tal como o nome descreve, os ativos que não podem ser tocados e são geralmente não vão se transformar em dinheiro.

A forma mais comum de ativos intangíveis é Ágio ou Good Will. O ágio é formado quando uma empresa compra outra e paga mais do que a empresa-alvo é (conforme definido pelo valor líquido, ou capital próprio no balanço do alvo).

Você deve ver este item com elevados níveis de ceticismo, porque a maioria das empresas tendem a pagar muito ao fazer aquisições.

Portanto, o valor do ágio que aparece no balanço patrimonial é muitas vezes maior do que o que os ativos intangíveis são realmente vale a pena.

As regras de contabilidade exigem que as empresas valorizam Goodwill a cada ano, e se uma empresa reduz o valor do ágio que havia registrado – um fenômeno conhecido como impairment – é uma admissão tácita de que a empresa pagou demais para uma aquisição que fez no passado.

Passivos

Agora que estamos mais familiarizados com o que uma empresa possui, vamos passar para o outro lado do balanço, o que deve.

Passivos representam todas as obrigações e dívidas contraídas pela entidade econômica com pessoas físicas ou jurídicas e também os serviços que devem ser prestados por já ter recebido pra isso.

Similar aos ativos, existem duas principais categorias de responsabilidades: o passivo circulante passivo não-circulante.

Passivo Circulante

Obrigações a empresa deve pagar no prazo de um ano são conhecidos como passivo circulante.

Os principais itens de linha que você deve se preocupar com nesta categoria são empréstimos (dívidas) e contas a pagar de curto prazo.

Empréstimos e Financiamentos de Curto Prazo

Se refere ao dinheiro que a empresa tem emprestado por um período menor que um ano. Normalmente, esses empréstimos são usados para as necessidades de curto prazo.

Muitas vezes, a quantidade de dívida de longo prazo que deve ser paga dentro de um ano também é incluída nesse item de linha.

A quantidade de empréstimos de curto prazo é um item importante, especialmente se uma empresa está em dificuldades financeiras ou pagando muitos dividendos, porque todo o montante deve ser pago de volta de forma relativamente rápida, deixando pouco espaço de manobra.

Contas a Pagar

Contas a pagar representam bens ou serviços que ainda não foram pagos. É o oposto de contas a receber, e de um modo geral, os investidores gostam de ver as tendências opostas para os dois itens.

Por exemplo, com valores a receber, nós preferimos uma empresa seja paga pelo que é devido o mais rápido possível.

No entanto, se uma empresa puder adiar pagamentos que deve por período maior de tempo – sem ficar em apuros – é claramente uma vantagem para o fluxo de caixa.

Passivo Não-Circulante

Passivos não circulantes são a outra face de ativos não circulantes. Estas responsabilidades representam dinheiro que a empresa deve a um ano ou mais no futuro.

Embora você verá uma variedade de itens de linha, nesta categoria, o mais importante, de longe, é a empréstimos e financiamentos a longo prazo.

Empréstimos e Financiamentos de Longo Prazo

Representa o dinheiro que empresa tem emprestado, normalmente através da emissão de debêntures, que não precisa ser paga de volta por vários anos.

Dívida de longo prazo é geralmente arriscada para uma empresa.

O motivo é simples: juros da dívida devem ser reembolsados a seus credores, não importando como o negócio esteja.

Determinar quanto da dívida uma empresa tem capacidade de tomar depende de muitas coisas, incluindo a taxa de juros a empresa paga sobre sua dívida, bem como a estabilidade dos lucros da empresa e fluxo de caixa.

Uma boa maneira de determinar se uma empresa pode arcar com os pagamentos de juros sobre a sua dívida é ver quantas vezes o lucro operacional da empresa (lucro EBIT) irá cobrir as suas despesas de juros (taxa de cobertura de juros).

Patrimônio Líquido

Como mencionamos anteriormente, o patrimônio liquido é igual ao total de ativos menos passivos totais. Representa a parte da empresa que é de propriedade dos acionistas.

Apesar de haver vários itens de linha dentro do patrimônio liquido, as duas principais categorias que os investidores devem se concentrar são lucros acumulados e ações em tesouraria.

Lucros Acumulados

Este item representa os lucros totais que a empresa ganhou desde que começou, menos o que foi pago aos acionistas a título de dividendos.

Este é um número cumulativo, se uma empresa perdeu dinheiro ao longo do tempo, os lucros retidos podem ser negativos, onde seriam chamados “prejuízos acumulados”.

Ações em Tesouraria

Este item de linha mostra o quanto de suas próprias ações uma empresa recomprou.

A recompra de ações é análogo ao pagamento de dividendos aos investidores – e em alguns casos pode ser ainda mais desejável.

Os investidores devem tomar nota das alterações nesta conta para ver quantas ações a empresa está recomprando de um período para o outro.

CONCLUSÕES

O balanço patrimonial é um conjunto de documentos em que ficam registrados os bens e obrigações da empresa em um determinado período.

Ativos, passivos e patrimônio são os três principais elementos do balanço patrimonial.

  • Ativos: onde são lançados os bens e direitos da empresa que se espera fornecer benefícios futuros. Podem ser dividido em ativos circulantes e não circulantes.
  • Passivos: onde são lançados todos os compromissos e obrigações da empresa. Assim como ativos, podem ser circulantes e não circulantes.
  • Patrimônio Líquido: diferença entre ativos e passivos. Representa o capital próprio da empresa.

O balanço patrimonial fornece informações sobre o que a empresa possui (ativos), o que deve (passivos), e a participação do acionista (patrimônio liquido).

Cuidadosamente analisados, eles podem dizer aos investidores muito sobre os fundamentos de uma empresa.

Embora tenhamos deixado reconhecidamente diversos detalhes, você aprendeu os elementos mais importantes de um Balanço patrimonial.

 

Bons investimentos!

 

Fontes de consulta

  • http://www.portaldecontabilidade.com.br/nbc/t1.htm
  • http://www.socontabilidade.com.br/conteudo/BP_ativo.php
  • http://www.investopedia.com/university/fundamentalanalysis/fundanalysis7.asp
  • http://www.oldschoolvalue.com/blog/valuation-methods/analysing-financial-statements-and-aerogrow/
Receba novidades por email (é grátis!)

Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Respeitamos sua privacidade. Nunca enviamos SPAM!
Balanço Patrimonial: Conheça os elementos mais importantes desse demonstrativo financeiro
5 (100%) 12 votes