A Filosofia do Investimento em Valor

Investimento em valor
Investimento em Valor: Princípios e fundamentos para investimentos racionais.

Os mercados de capitais mundiais cresceram à medida que cada vez mais pessoas abraçaram os benefícios do capitalismo com vista a aumentarem a sua riqueza.

No entanto, quantas pessoas dedicaram o seu tempo a tentar compreender o que significa investir?

Suspeito que muito poucas.

A tomada de decisões de investimentos pode ter um impacto significativo na sua vida. Pode assegurar uma reforma confortável, pagar a educação dos seus filhos e proporcionar-lhe a liberdade financeira necessária a realização dos mais variados desejos.

O único  investimento sensato, misto de arte e ciência, é o investimento em valor.  

Não é tão complexo e  pessoas com um QI médio conseguem entender e aplicar.

Neste artigo você vai aprender:

  • O que é investimento em valor
  • Quais os princípios orientadores dessa filosofia
  • Porque você deveria considerar essa mentalidade ao investir no longo prazo

Investimento em Valor: Forma racional de investir no longo prazo

O investimento em valor (do inglês Value Investing) existe como filosofia de investimento desde o inicio dos anos 30.

Os princípios do investimentos em valor foram articulados pela primeira vez em 1934 quando Benjamin Graham  um professor de investimentos na Columbia Business School, escreveu um livro chamado “Security Analysis”, o primeiro e, ainda hoje, o melhor livro sobre investimentos.

Já foi lido por milhões de pessoas ao longo dos anos. Esta abordagem ao investimento é fácil de compreender, apela fortemente ao senso comum e produziu, ao longo dos anos, retornos superiores a qualquer outra estratégia de investimento.

O investimento em valor não é um conjunto de regras rígidas, mas um conjunto de princípios que formam uma filosofia de investimento. Esses princípios fornecem diretrizes que apontam boas ações e, mais importantes,  afastam das más.

O investimento em valor oferece um modelo e uma mentalidade racional com o qual permite avaliar qualquer ativo.

Essa filosofia (ou mindset) auxilia o investidor a analisar ativos e empresas no qual se pretende investir pela ótica da análise fundamentalista, de maneira qualitativa, no intuito de, ao adquirir ações destas empresas, esteja se tornando sócio das mesmas e participando de seus resultados.

Porque o Investimento em Valor?

Porque funciona desde que existem registro de retornos.

Uma montanha de dados comprova que aqueles que seguiram a filosofia do investimento em valor conseguiram retornos que batem os mercados ao longo de largos períodos de tempo.

Os registos de alguns dos investidores em valor mais bem sucedidos do mundo demonstram a eficácia da filosofia. Entre esses investidores estão: Warren Buffett, Charlie Munger, Walter Schloss, William J. Ruane, Irving Kahn, Charles Brandes, Mario Gabelli, Bruce Greenwald, Seth Klarman, John Templeman, Joel Greenblatt, Martin J. Whitman, e Max Heine – muitos dos quais seguiram Graham em seus princípios de investimento.

Como Buffett disse uma vez, “Siga Graham, e você vai lucrar com a loucura, em vez de participar dela.”

O investimento em valor trabalha no reino da fácil compreensão.

No entanto, mesmo confrontados com provas contundentes, poucos investidores e gestores profissionais compreendem os fundamentos do investimento em valor.

Segundo algumas estimativas, nos Estados Unidos apenas 5 a 10% dos gestores profissionais aderem a estes princípios. Como Warren Buffett também já disse uma vez, não são necessários mais de 125 pontos de QI. Mais do que isso é um desperdício.

Qualquer forma de investimento inteligente é investimento em valor.”


– Charlie Munger

Princípios do Investimento em Valor

Existem vários princípios e conceitos que sustentam a mentalidade  do investimento em valor e são centrais para a filosofia defendida por Graham e seus discípulos.

Dois princípios em particular se destacam: em primeiro lugar, o investidor em valor sempre toma a perspectiva de um proprietário do negócio ao analisar uma empresa. Em segundo lugar, o investidor em valor sempre conta com a irracionalidade dos mercados no curto prazo (Sr. Mercado).

Uma vez que estes dois princípios são estabelecidos durante a avaliação, o investidor em valor deve seguir os abordagens quantitativas e/ou qualitativas para a determinação do valor intrínseco e uma margem de segurança.

Em suma, os 4 princípios básicos do investimento em valor são:

Princípio #1 – Pense como Proprietário

A avaliação de ações deve ser feita através da ótica de um proprietário do negócio.

Imagine que você já possui o negócio – você vai se você comprar uma ação, como uma fatia de propriedade da empresa emissora.

O investimento é mais inteligente quando mais se parece com negócios.”


– Warren Buffett

Princípio #2 – Entenda que o Mercado pode ser Irracional

O mercado pode irracionalmente derrubar o preço das ações, e isso não tem qualquer relação com valor real do negócio.

Nestes momentos de queda irracional no mercado, o investidor em valor deverá ficar atento para selecionar excelentes empresas que estejam negociadas a preços muito abaixo do valor intrínseco.

Na maioria das vezes, as ações estão sujeitas a flutuações de preços irracionais e excessivas em ambas as direções, como conseqüência da tendência arraigada da maioria das pessoas a especularem ou apostarem, para dar lugar à esperança, ao medo e à ganância.”


– Benjamim Graham

Princípio #3 – Encontre o Valor Intrínseco do Negócio

O investidor deve tentar encontrar o valor intrínseco da ação, que pode ser uma faixa de valores, e geralmente é uma estimativa, porque o cálculo do valor intrínseco não é de forma alguma uma ciência exata.

A avaliação do valor intrínseco do negócio pode ser feita através de diversos métodos e não é apenas uma medida quantitativa.

O valor do negócio deve ser avaliado observando também características qualitativas, como vantagem competitiva, qualidade da administração, governança corporativa, para citar alguns.

Existem muitos métodos de investimento disponíveis, mas tive o maior sucesso ao comprar ações com preços muito baixos em relação ao seu valor intrínseco.”


– Sir John Templeton

Princípio #4 – Tenha uma Margem de Segurança

O investidor precisa de uma margem de segurança – em outras palavras, as ações estão suficientemente desvalorizadas para enfrentar qualquer incerteza ou recessões – e decida se seus estudos e análises apontam para um investimento rentável.

Pelo fato de poderem cometer erros ao longo da jornada como investidor, ao adotar uma margem de segurança o investidor poderá se proteger caso tenha cometido erros de avaliação.

O conceito central de investimento em valor é a margem de segurança. A idéia de investimento em valor deve ser antes de tudo sobre a redução de risco. Se você reduzir o risco, os retornos cuidarão de si mesmos.”


– C. T. Fitzpatrick

Características do Investimento em Valor

Investimento em Valor

O investimento em valor é uma filosofia e estratégia poderosa para vencer o mercado no longo prazo.

Para entender melhor, vou selecionar alguns tópicos de interesse nessa área que serão melhor abordados em artigos futuros.

Hipótese de Mercado Eficiente

Um investidor em valor não acredita na Hipótese de Mercado Eficiente (HME).

De acordo com a HME, o preço atual das ações já possui preços em todas as informações sobre a empresa. Pelo contrário, o investidor em valor acredita que as ações podem ser subestimados ou sobrevalorizados.

Por exemplo, uma ação pode estar subestimada devido à venda de pânico pelos investidores durante uma tendência de baixa na economia (como durante a Grande Recessão na década de 1930).

Da mesma forma, uma ação pode ter ficado sobrevalorizada por causa da excitação dos investidores sobre a nova tecnologia que ainda não foi comprovada (como a Bolha das empresas ponto.com na década de 1990).

Eu discuto melhor sobre essa teoria no artigo:

Mentalidade de Manada

A mentalidade de manada tem predominado entre os investidores no mercado de ações.

No entanto, os investidores em valor valor não seguem o rebanho. Na verdade, eles têm muitas características de contrários, ou seja, quando todos os outros estão comprando, eles geralmente estão vendendo ou ficando de volta.

Os investidores em valor geralmente não compram as ações mais populares, porque elas estão muito caros. Eles são cautelosos sobre investir em empresas que são nomes de famílias e dão uma segunda olhada nestas ações apenas quando os preços das ações caíram.

Como já visto no princípio #1 o investidor em valor compram negócios, não ações. Em outras palavras, os investidores devem considerar os fundamentos da empresa que possuem negócios sólidos e financeiros sólidos.

Eles não compram ações, mas uma porcentagem de propriedade em uma empresa.

Diligência e Paciência

O investimento em valor é uma estratégia de longo prazo, em oposição ao trading.

Isso requer diligência e paciência, pois às vezes pode levar anos para obter o benefício da estratégia.

No entanto, o benefício é que os ganhos de capital a longo prazo são tributados a uma taxa menor do que os ganhos de capital de curto prazo.


Está gostando do artigo? Se inscreva em nossa lista e receba novidades por e-mail!

Receba novidades por email (é grátis!)

Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Respeitamos sua privacidade. Nunca enviamos SPAM!

Investimento em Valor e Análise fundamentalista

O investimento em valor se utiliza das ferramentas e métodos da análise fundamentalista, análise de balanços e avaliação de empresas.

Confira a seguir uma lista com cinco indicadores fundamentalistas muito utilizados por investidores em valor para selecionar ações.

Índice Preço/Lucro (P/L)

É um dos principais índices fundamentais e é calculado dividindo o preço das ações pelo lucro por ação para chegar a um valor que indica o quanto os investidores estão dispostos a pagar por cada dólar dos ganhos da empresa.

Uma ação com menor índice de P/L custa menos por ação para o mesmo nível de desempenho financeiro do que aquele com maior P/L.

Índice Preço/Valor Patrimonial (P/VP)

Como relação P/L, a relação P/VP é outro bom indicador do que os investidores estão dispostos a pagar por cada real dos ativos da empresa. A relação P/VP é calculada dividindo o preço das ações com o patrimônio líquido da empresa por ação.

Razão Dívida/Patrimônio Líquido (D/PL)

Esta relação indica qual porcentagem do financiamento da empresa é recebida da dívida e qual a porcentagem do patrimônio líquido. Uma relação D/PL de uma empresa maior do que seus pares em do setor é um sinal de alerta.

Fluxo de caixa livre (FCL)

Esta é uma medida importante, pois significa quanto dinheiro real a empresa está gerando após investimentos de capital. O lucro líquido da empresa pode ser negativo, mas pode gerar fluxo de caixa significativo e significativo, o que é um sinal positivo.

Para entender como se obter o fluxo de caixa livre, acesse:

Índice de Preços / Crescimento do Lucro (PEG)

Esta relação é calculada dividindo o P/L por uma taxa anual de crescimento do Lucro por Ação. Em geral, o P/L é maior para uma empresa com maior taxa de crescimento.

Assim, usando apenas a relação P/L, as empresas de alto crescimento parecem sobreavaliadas em relação aos demais. Ao dividir a relação P/L com a taxa de crescimento do lucro, o índice resultante seria melhor para empresas com diferentes taxas de crescimento.

Análise Qualitativa

Embora os índices acima sejam as métricas quantitativas chave, o investimento em valor é mais uma arte, e os índices acima devem ser combinados com senso comum e pensamento crítico.

Um investidor em valor precisa fazer uma série de perguntas para analisar as perspectivas futuras da empresa, como por exemplo

  • Como uma empresa pode aumentar suas receitas?
    • Elevando os preços?
    • Aumentando as vendas?
    • Reduzindo os custos?
    • Ou vendendo ou fechando divisões não rentáveis?
  • Quem são concorrentes da empresa e quão fortes são?
  • Existem alguns riscos regulatórios, como o governo colocando um limite para elevar os preços da energia?

Essas e diversas outras perguntas precisam ser respondidas para aumentar o círculo de competência do investidor e assim diminuir os riscos ao investir em ações de uma determinada empresa.

Escrevi um artigo que discute sobre como analisar a vantagem competitiva de uma empresa. Confira:

Avaliando a Governança Corporativa

A administração e a gestão de uma empresa pode fazer uma grande diferença no funcionamento de uma empresa.

Um bom gerenciamento adiciona valor, enquanto uma gestão incorreta pode destruir os financeiros mais sólidos. Os melhores gerentes ignoram o valor de mercado da empresa e se concentram no crescimento do negócio, criando assim o valor de longo prazo para os acionistas.

Nas palavras de Warren Buffett, “procure três qualidades: integridade, inteligência e energia. E se eles não tiverem o primeiro, os outros dois vão te matar “.

Um investidor em valor pode ter uma sensação de honestidade da administração lendo os dados financeiros da empresa anteriores que indicam como eles entregaram suas promessas passadas.

Além disso, o tamanho e o relatório da remuneração da administração dão uma boa idéia sobre a governança corporativa da empresa.

A gestão que tem um salário fixo razoável e depende dos ganhos na participação nas ações é um bom exemplo. Além disso, pelo menos, a empresa deve custear suas opções de compra de ações.

Estimando o Valor Intrínseco

Estimar o valor intrínseco é um dos princípios mais importantes do investimento em valor.

No entanto, o maior problema com a estimativa do valor intrínseco é que dois investidores com o mesmo conjunto de informações podem valorizar uma empresa de forma diferente.

Por esse motivo, o investidor de valor sempre procurará uma margem de segurança.

Isto significa simplesmente que o investidor de valor compraria o estoque com um desconto suficientemente grande para permitir algum espaço de erro na estimativa do valor intrínseco.

A principal vantagem de usar a margem de segurança é que ele minimiza as chances de perda permanente de capital. Ao contrário das ações especulativas cujo preço pode cair, é menos provável que os estoques de valor continuem a sofrer declínios de preços.

Benjamin Graham, considerado como o pai do investimento em valor, só comprou ações quando tinha um preço de dois terços ou menos de seu valor intrínseco.

Esta foi a margem de segurança que ele sentiu ser necessário para obter os melhores retornos, minimizando a desvantagem do investimento.

CONCLUSÕES

Investimento em valor é basicamente um conjunto de princípios introduzidos por Graham quando escreveu Security Analysis em 1934.

Neste artigo vimos 4 princípios fundamentais dessa filosofia:

  1. Pense como Proprietário
  2. Entenda que o Mercado pode ser Irracional
  3. Encontre o Valor Intrínseco do Negócio
  4. Tenha uma Margem de Segurança

Fundamentalmente envolve a compra de ações (ou qualquer outo ativo) cujo os preços de mercado que estejam abaixo do valor intrínseco devido à irracionalidade dos investidores. Esta irracionalidade, no extremo, muitas vezes pode empurrar o preço de uma ação bem abaixo do seu valor real.

Um investidor em valor astuto procura determinar o verdadeiro valor de tais ações, aproveitando assim este tipo de irracionalidade do mercado.

Existem vários princípios e conceitos que sustentam a mentalidade  do investimento em valor e são centrais para a filosofia defendida por Graham e seus discípulos.

Aqui no blog pretendo compartilhar diversos desses princípios e filosofias através do estudo de grandes investidores que obtiveram retornos excepcionais ao longo dos anos.

 

Bons investimentos!

 

Livros recomendados

Receba novidades por email (é grátis!)

Coloque o seu email abaixo para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Respeitamos sua privacidade. Nunca enviamos SPAM!
A Filosofia do Investimento em Valor
4.9 (98.33%) 12 votes